JORGE RODRIGUES SIMÃO

ADVOCACI NASCUNT, UR JUDICES SIUNT

Pacífico centro económico mundial

Seja qual for a resposta, tem sentido a existência de uma estratégia de controlo militar do Oceano Pacífico, dada a escassez de recursos que se aproxima velozmente, num mundo em que a população passará dos actuais sete mil milhões para os nove ou dez mil milhões de pessoas no termo da primeira metade do século, e que no seu final atingirá doze a quinze mil milhões de pessoas.

Os Estados Unidos, como antes o fora a Inglaterra, tem sido a potência hegemónica há quase sete décadas. Actualmente, o seu poder económico encontra-se ferido e titubeia, e a sua capacidade militar está diminuída. Simultaneamente, com a perda económica, politica e militar dos Estados Unidos, e muito além da evidência manifestada por várias economias emergentes, a China começou a aquecer os músculos, e é a segunda potência económica mundial, senão mesmo a primeira.

Além da China, está a Índia que caminha com rapidez para juntar-se ao grupo da frente, bem como outros países asiáticos que emergem como actores no plano económico e de incontestável importância, permitindo que se apadrinhe este século como asiático, ou de hegemonia da China. A retirada dos Estados Unidos dos conflitos regionais em diferentes zonas do mundo, para cumprir a sua visão estratégica de controlo das águas que rodeiam a China, sustenta essa tese.

É crível que este século não seja o da China ou de qualquer outro país, mas é igualmente de acreditar que o Oceano Pacífico será o centro de gravidade económico do mundo, e os Estados Unidos independente de ter sido reeleito o presidente Barack Obama, tem estado a preparar-se para usar os recursos e equipamentos que obteve como superpotência hegemónica, para continuar a manter influência naquela área do planeta.

A China e a Índia podem vir a ser duas superpotências económicas, não permitindo concluir por tal facto, que venham automaticamente a dominar o cenário geoestratégico mundial, como fizeram os Estados Unidos. O capitalismo expandiu-se com bens essenciais, fartos e de baixo preço, num mundo industrializado de relativa pouca população. Se os países asiáticos continuarem a seguir o modelo de consumo ocidental e a imitar o tipo capitalismo dos últimos duzentos anos, fatalmente irão deparar-se em poucos anos com as suas tremendas limitações.

Se pensarmos que em 2050 existirão cinco milhões de asiáticos, que não poderão consumir da forma como o mundo o faz no presente, pois primeiro passou pelas fases de industrialização e desenvolvimento. Apesar de tudo, o cenário actual, não é tão rosado como se possa imaginar na Ásia. À excepção do Japão, Coreia do Sul e Estados pequenos como Singapura, a maior parte dos países asiáticos são pobres e têm uma pequena classe média.

Tendo em vista o crescimento económico rápido, alguns países asiáticos, aplicaram fórmulas importadas com abertura financeira permitindo uma grande liberdade de circulação de capitais. O caminho seguido começa a enfrentar dificuldades e os países a mostrarem sinais de arrependimento. Quando se prevêem e esperam dificuldades de diversa natureza, em todos os continentes e regiões, a cooperação e os esforços unidos parecem ser a via mais racional, em detrimento dos antigos planos de rearmamento militar.

O mundo terá quiçá de passar por mais algumas tormentas em termos de conflitos bélicos, para que o conceito de cooperação se converta na principal corrente de pensamento, adentro da teoria do direito internacional público. Existe um motivo ponderoso para que o continente sul-americano siga com atenção o desenrolar dos acontecimentos que se estão a dar e darão com maior acuidade no futuro, e que terão como palco o Oceano Pacífico, e a evidente alteração de poder do Ocidente para o Oriente.  

Os bancos chineses desde a segunda metade da década passada concederam crédito, num total de mais de oitenta mil milhões de dólares aos países da América do Sul. O gigante chinês desviou-se dos Estados Unidos, e tornou-se no principal parceiro comercial do Brasil e do Chile. Os bancos chineses concederam um volume maior crédito, em 2010, aos países da América do Sul, que o concedido pelo “Banco Mundial”, “Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID)” e “Export-Import Bank of the United States (Ex-Im Bank)”, em conjunto.

Os empréstimos concedidos nem sempre são baratos. O “China Development Bank”, principal agente no financiamento da China ao continente sul-americano, tem concedido empréstimos a países sul-americanos, pelo prazo de 19 anos, a 600 pontos-base acima da taxa Libor, enquando o Banco Mundial tem concedido empréstimos a 85 pontos-base acima da taxa Libor. A estratégia da China tem fundamentos, sendo desde logo um, o uso de um instrumento que assegure a fornecimento de bens (recursos naturais como hidrocarbonetos e minerais) e serviços a longo prazo.

Numa perspectiva político-ideológica, a China procura reforçar os laços de amizade e cooperação com os países do Hemisfério Sul. Qualquer que seja a interpretação, os sul-americanos não podem conservar-se alheios a esta questão de capital importância, acerca da deslocação do eixo do poder mundial do Ocidente para Oriente, com as previsíveis consequências políticas e económicas que daí advêm.

O que mais surpreende é como num ano de eleições nos Estados Unidos, e na retirada das forças militares do Iraque e do Afeganistão, tenham os americanos criado uma estratégia bélica na região da Ásia-Pacífico e que despudoradamente anunciaram no começo do ano. A China e os Estados Unidos observam-se mutuamente e medem forças no Mar da China Meridional.

Os Estados Unidos tem aumentado a sua presença na região, tendo como razão, o facto de que a China está a aumentar consideravelmente o seu poderio naval. Os últimos três meses fizerem aparecer uma nova ameaça traduzida na possibilidade de uma guerra no Médio Oriente entre o Irão e Israel, envolvendo quiçá vizinhos da região, incluindo países ocidentais, entre eles, os Estados Unidos.

Independente dessa nova situação, a grande preocupação dos Estados Unidos é de que a China investiu enormemente em armamento, e que pode estar em condições de disputar a hegemonia dos Estados Unidos no Oceano Pacífico. A China possui aviões de combate capazes de evadir-se dos radares e mísseis balísticos anti-navais. A resposta da China ao anúncio pelos Estados Unidos desta nova estratégia defensiva que marca um dos principais desafios da superpotência, é de que seria oportuno os americanos seguirem as praticas normais do tempo que vivemos e de tratar a China e as forças armadas chinesas de forma objectiva e racional, e que deveria ser mais cauteloso com o uso das palavras e acções.

Altos funcionários do governo chinês protestaram contra as recentes alianças militares dos Estados Unidos na Ásia, que caracterizam de pensamento característico da guerra-fria. Existe uma percepção fundada de que os Estados Unidos procura conter a China. A China adentro dessa percepção de contenção que os Estados Unidos pretendem praticar, tem reflectido e analisado sobre a ideia que motivou os países vizinhos, manifestarem oposição contra si nos últimos dois anos. Os Estados Unidos, na realidade, retomaram o seu interesse estratégico no Oriente, iniciado após o final da guerra-fria e interrompido pelas guerras do Afeganistão e Iraque.

Esta interferência dos Estados Unidos em determinadas áreas importantes, está a criar um processo mais complicado na estratégia da China de crescer em paz. A estratégia ideal para a China é melhorar as relações com os países vizinhos para dissipar o temor acerca da política que seguirá o novo presidente chinês Xi Jinping, eleito no dia 15, durante o 18.º Congresso do Partido Comunista. Enquanto vice-presidente e aquando da sua recente visita aos Estados Unidos, militares americanos de alta patente militar, defenderam a estratégia do seu país na Ásia, uma vez que as potências emergentes estavam a desafiar as regras e relações internacionais.

Antes de iniciar a sua viagem, o dirigente chinês referiu-se à decisão do presidente Barack Obama, de aumentar as suas alianças e presença militar na Ásia realçando que num momento em que os chineses desejam a paz, estabilidade e desenvolvimento, privilegiando propositadamente a agenda de segurança militar, aumentar o poderio militar e fortalecer as alianças militares não é o que a maioria dos países da região Ásia-Pacífico quer na realidade, pois no vasto Oceano Pacífico cabem confortavelmente a China e os Estados Unidos e esperava que estes respeitassem e se ajustassem aos principais interesses e legítimas preocupações dos países daquela região.

 

Jorge Rodrigues Simão, in “HojeMacau”, 23.11.2011
Share

Pesquisar

Traduzir

ar bg ca zh-chs zh-cht cs da nl en et fi fr de el ht he hi hu id it ja ko lv lt no pl pt ro ru sk sl es sv th

Azulejos de Coimbra

coimbra_ii.jpg