JORGE RODRIGUES SIMÃO

ADVOCACI NASCUNT, UR JUDICES SIUNT

A lógica do desenvolvimento

Ao mesmo tempo, os conhecimentos científicos e tecnológicos encontram-se globalmente disponíveis, a uma escala sem precedentes. Compete aos cientistas salvar o mundo da catástrofe, transformando-o num local em que todos os seus habitantes possam viver? A resposta não oferece dúvidas. Não existem soluções rápidas neste domínio, mas temos de enfrentar as questões se não quisermos ceder a uma tecnocracia hipócrita, por um lado, ou a um movimento anti-intelectual em princípio hostil a qualquer forma de ciência, por outro.

A ciência moderna é um produto da cultura moderna ocidental, que por sua vez, ajudou a moldar a cultura moderna global. A ciência é, afinal, uma actividade humana, e são os seres humanos que produzem e aplicam o conhecimento científico, em interacção com o mundo material, quer se encontrem num ambiente natural, no preparado de uma experiência laboratorial ou nas páginas das revistas científicas. Nem os cientistas mais monomaníacos são o produto exclusivo da sua formação científica e do ambiente científico que os rodeia, também são membros da sociedade em que vivem e que lhes inculca um conjunto de valores culturais mais ou menos específicos.

Defender esses valores está implícito no trabalho científico em que os cientistas estão envolvidos, e que, ao apresentarem os seus conhecimentos científicos e os produtos que deles resultam, ajudam a reforçar os valores que interiorizaram. Ao falar-se em ciência moderna, quer-se referir à actividade científica e à organização institucional que se desenvolveu inicialmente na Europa, a partir da Revolução Francesa e da Revolução Industrial. Foi nesse período que os cientistas acorreram em massa aos laboratórios, passando a ser apoiados pelo Estado, estabeleceram fortes laços com a indústria e começaram a exercer uma influência significativa nos programas de acção social e estatal.

Entre todas as formas de conhecimento, foi o científico que atingiu o mais alto estatuto. A ciência ganhou proeminência no sistema universitário em rápida expansão e secularizou-se. Antes, a ciência ou, mais precisamente, a filosofia da natureza, ocupava-se sobretudo do funcionamento do universo de Deus; os filósofos da natureza investigavam a natureza enquanto criação de Deus e regulada por leis escritas por Deus. Os seres humanos podiam contemplar a natureza e explorar os seus frutos, mas só Deus tinha a liberdade de estabelecer os termos em que a natureza funcionava e cedia os mesmos aos homens.

No século XIX, a ciência passou a ocupar-se da compreensão e da manipulação da natureza, de pleno direito; fossem crentes ou não, os cientistas já não se referiam a Deus nas suas publicações, mas sim ao mundo natural e aos sistemas experimentais, cuja manipulação intencional revelava as características fundamentais da natureza. A intervenção e a manipulação são especificidades essenciais da ciência moderna. É, em primeiro lugar, pela intervenção experimental que a ciência moderna cria as suas representações da realidade.

Os conceitos teóricos e os modelos ganham conteúdo quando funcionam sob condições específicas e dentro de limites preestabelecidos seleccionados pelo investigador; deste modo, os electrões, os micróbios, o ADN, entre outras situações, são visíveis e reais aos nossos olhos. Por outro lado, o conhecimento gerado pela ciência sai do laboratório para o mundo e é transformado em actividades específicas no domínio da ciência aplicada e da tecnologia.

Embora a tecnologia possua uma história própria muito longa, a noção de ciência aplicada só ganhou corpo ao longo do século XIX. Vimos na ascensão da indústria química, da indústria agro-alimentar com os seus fertilizantes químicos, os primórdios das indústrias farmacêutica e alimentar, a telegrafia, a electrificação, entre muitas outras inovações. A partir de então, a ciência e a tecnologia têm-se interligado cada vez mais, e têm provocado impactos cada vez mais fortes na natureza e na sociedade, que mudaram, para melhor ou para pior, durante o processo. É claro que a utilização dos recursos para benefício do homem é tão antiga como a própria humanidade.

O vestuário, a construção de abrigos, o uso de utensílios, a agricultura, as fogueiras, a fermentação das uvas, a produção de queijo e tudo o demais, são meios a que os seres humanos recorrem há muito para introduzir o conforto e o prazer nas suas vidas e no ambiente que os rodeia. A novidade da ciência moderna e o seu casamento com a tecnologia, reside na utilização de teorias científicas como instrumentos de previsão, controlo e alteração da natureza. No decurso do processo, a sociedade humana não se contentou em explorar a natureza e passou a manipulá-la e, de facto, a alterá-la.

Num número crescente de áreas científicas, o natural passou a ser apenas um entre muitos outros estados susceptíveis de ser produzidos. Foram as escolhas feitas em relação a esses estados susceptíveis de ser produzidos que ajudaram a criar o mundo em que vivemos. Esta revolução não se processou isoladamente, mas em contextos sociopolíticos específicos. A ciência moderna nasceu e passou a infância entre revoluções; a Revolução Francesa, a Revolução Industrial e as revoluções de 1848 em França e nos estados alemães. Cresceu no seio dos movimentos nacionalistas unificadores do século XIX, que deram origem ao moderno estado-nação.

No mesmo período, o poder político e económico começou a transitar das classes de proprietários da terra para os novos industriais e para uma classe média recém profissionalizada e em expansão. Os novos cientistas pertenciam esmagadoramente à classe média profissionalizada, o que se reflectiu nos valores que adoptaram. Além disso, é curioso que os novos cientistas experimentais tinham acorrido ao laboratório, a par da corrida dos novos industriais às fábricas. A produção de conhecimento e de mercadorias transformaram-se.

Um dos valores considerados fundamentais neste período foi a natureza do progresso, que era um conceito novo. Onde antes existira o equilíbrio natural, no século XIX tudo passou a estar em desenvolvimento; a sociedade, a economia, o conhecimento, a ciência, a vida na Terra e o próprio universo. Uma nova noção de conhecimento e bem-estar humanos, ambos em permanente evolução, tornou-se essencial para a teoria política e social, para a filosofia e para a ciência.

A lógica do desenvolvimento foi construída nos alicerces da ciência moderna e do moderno estado-nação. E esteve também nas raízes de todo um espectro de movimentos políticos gerados no século XIX e no século XX, da democracia liberal ao comunismo, do socialismo ao darwinismo social.

Jorge Rodrigues Simão, in “HojeMacau”, 23.09.2011
Share

Pesquisar

Traduzir

ar bg ca zh-chs zh-cht cs da nl en et fi fr de el ht he hi hu id it ja ko lv lt no pl pt ro ru sk sl es sv th

Azulejos de Coimbra

painesiv.jpg